16/05/2013 10:01 am

Técnicos da Aged estão fazendo levantamento de nova praga em plantios de grãos no Sul do Maranhão

Diego Amaral apresenta trabalho realizado em 30 fazendas da região.

Diego Amaral apresenta trabalho realizado em 30 fazendas da região.

 

Técnicos da Agência de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged) de Balsas suspeitam que uma nova espécie de lagarta, denominada de Helicoverpa SPP, está atacando plantios de soja, milho, algodão e arroz nos municípios de Alto Parnaíba e Tasso Fragoso. O trabalho de vistoria realizado em 30 fazendas foi apresentado no Agrobalsas 2013 pelo chefe do escritório regional de Balsas da Aged, Diego Amaral, após a palestra do fiscal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Ériko Sedoguchi, sobre a praga que está acontecendo com maior incidência em outros estados, como a Bahia, São Paulo e Minas Gerais.Diego Amaral afirmou que vários produtores relataram que foi a primeira vez que viram este tipo de lagarta em suas lavouras. “Essa lagarta come todo o grão da soja e muitos produtores tiveram prejuízo”, disse o chefe do escritório da Aged de Balsas, informando que na próxima semana serão coletadas amostras da lagarta na fase adulta, ideal para que seja feita a análise e confirmação da espécie.

Ele explicou que após a coleta, a Aged vai encaminhar para um laboratório credenciado pelo Mapa. “Caso haja a confirmação de que é a lagarta Helicoverpa SPP , serão feitos os procedimentos de acordo com a legislação, tais como autorização do uso de novos produtos químicos e a Aged irá acompanhar e fiscalizar a aplicação destes defensivos no campo agrícola, tendo todo o cuidado para não prejudicar o meio ambiente e a saúde humana”, explicou Diego Amaral.

O fiscal do Mapa, Eriko Sedoguchi, afirmou que esta lagarta foi encontrada com maior incidência em janeiro deste ano, na Bahia, e agora está surgindo em outros estados, como é o caso do Maranhão. “Essa é uma espécie nova de lagarta e para combatê-la os produtores têm que utilizar um produto importado, o benzoato de emamectina, já liberado para uso, de acordo com portaria do Mapa, no sentido de combater emergencialmente esta praga”, explicou ele.

Eriko Sedoguchi informou que o Mapa solicitou à Aged que fizesse um levantamento da situação em algumas propriedades e a coleta das amostras para delimitar a área de ocorrência dessa praga. “A Aged está de parabéns pelo trabalho porque está tomando todas as providências necessárias. Poucos estados atenderam à nossa solicitação”, elogiou Eriko Sedoguchi.

O secretário da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Sagrima), Cláudio Azevedo, assistiu as duas apresentações e disse que a Aged faz um importante trabalho de levantamento fitossanitário na região de Balsas, principal polo produtor de grãos do Maranhão. “Esse trabalho evita a introdução de novas doenças e outras pragas nessas culturas e, no caso desta lagarta, esse levantamento é importante para dar uma maior agilidade no diagnóstico e possibilitar que a legislação seja aplicada de acordo com as orientações do Mapa”, avaliou Cláudio Azevedo.

A Aged é um órgão vinculado à Sagrima e possui 19 escritórios regionais instalados em todas as regiões do Maranhão, além de Unidades Veterinárias Locais e Escritórios de Atendimento à Comunidade, com atuação em todos os municípios maranhenses.

Alunos – O trabalho de orientação no uso correto de produtos químicos nos campos agrícolas está sendo realizado durante o Agrobalsas pela Coordenação de Educação Sanitária da Aged, por meio do Projeto Fazendo Educação, que está ministrando palestras a estudantes do ensino fundamental, com o tema “uso correto e seguro de defensivos agrícolas”.

A Aged também está desenvolvendo no Agrobalsas o Projeto Formação de Agentes em Práticas Agropecuárias, com palestras sobre o “Uso correto de Agrotóxicos e Destinação de Embalagens Vazias”, voltadas para alunos da Escola Família Agrícola de Balsas.

 

GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO - Portal desenvolvido e hospedado pela ATI