29/05/2015 5:56 pm

Certificação do Maranhão como zona livre internacional de febre aftosa completa um ano

 

Há um ano, no dia 29 de maio de 2014, em solenidade realizada na sede da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), em Paris (França), o Maranhão e outros sete estados brasileiros – Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Alagoas, Piauí e Pará – foram oficialmente certificados como zonas livres de febre aftosa com vacinação. 

Concentrando 33% do rebanho da nova área livre, o Maranhão, que já tem uma pecuária com vocação para o corte, tem a expectativa de dobrar o atual rebanho de 7,6 milhões nos próximos anos, além de um possível boom na cadeia produtiva da carne. “Já temos recebido investimentos de grandes frigoríficos e laticínios no estado e o Porto do Itaqui já se prepara para aumentar a estrutura para exportar a nossa carne”, Explicou o presidente da AGED-MA, Sebastião Anchieta.

Com o reconhecimento internacional da nova classificação sanitária, o Maranhão está habilitado a comercializar sua carne e derivados com todos os mercados mundiais, incluindo a comunidade europeia, Estados Unidos e Rússia

Prorrogação – Prevista para ser encerrado neste domingo (31), o prazo para imunização do rebanho na primeira etapa da campanha de vacinação foi prorrogado até o dia 15 de junho. A comprovação da vacinação pode ser feita agora até o dia 25 de junho.

A comprovação da vacinação contra a febre aftosa deve ser feita no escritório da AGED-MA, onde o criador realizou o cadastro de sua propriedade. Para comprovar, o criador deve apresentar a nota fiscal de compra das vacinas e realizar a atualização do cadastro do seu rebanho junto à agência agropecuária.

O criador que não vacinar seu rebanho no período oficial está sujeito a multa de R$ 5,00 por cabeça de animal não vacinado. Quem vacinar o rebanho, mas não comparecer, até o dia 20 de junho, a um escritório da AGED-MA para comprovar a vacinação também está sujeito a uma multa de R$ 200,00.

Além disso, os animais não vacinados, ou que tenham sua vacinação pendente junto à AGED-MA não poderão ser transportados fora dos limites da propriedade rural, visto que o criador fica impossibilitado de receber as GTA’s (guias de trânsito animal), emitidas pelo órgão governamental, que permitem que os animais circulem pelo estado.

 

 

 

GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO - Portal desenvolvido e hospedado pela ATI